Pensão por Morte – Tire suas Dúvidas!

Pensão por Morte – Tire suas Dúvidas!

A Pensão por Morte é um benefício que a Previdência dá ao dependente de um segurado que morreu, estando ele aposentado ou não.

Ela é amparada legalmente pelo artigo 74 e seguintes da Lei 8.213/91.

É uma forma de prestação consecutiva que substitui a remuneração que o falecido recebia quando estava vivo.

Publicidade

Ela é pode ser concedida de forma provisória em caso de morte da pessoa que está segurada, devendo ser declarada por uma autoridade judicial qualificada, após 6 meses de sua ausência, conforme diz o artigo 78 da Lei 8.213/91.

Quem tem direito e em que situações?

De acordo com o artigo 16 da Lei de Planos e Benefícios da Previdência Social têm direito à pensão por morte pessoas que se enquadram nas seguintes situações:

  • Classe 1 – o cônjuge, a companheira ou o companheiro; o filho com menos de 21 anos não emancipado, inválido, com deficiência intelectual, deficiência mental ou deficiência grave;
  • Classe 2 -os pais;
  • Classe 3 -irmão ou irmã não emancipados com menos de 21 anos, inválido, com deficiência intelectual, com mental ou deficiência grave.

As pessoas da classe 1 têm a sua pensão por morte presumida enquanto que as outras devem ser comprovadas.

Publicidade

Com a existência de um dependente de qualquer uma das classes, exclui-se o direito às prestações das outras classes.

Dessa forma, entre a mãe e a esposa, por exemplo, só a esposa terá o benefício.

Enteados e menores sob tutela têm direito quando há uma declaração do segurado e comprovação de dependência econômica.

Publicidade

Um cônjuge ausente ou divorciado somente tem direito ao benefício a partir da data de sua habilitação por um requerimento administrativo e comprovação de dependência econômica.

Mas, vale salientar que isso não exclui o direito à pensão do companheiro ou companheira atual.

Para ter direito a Pensão por Morte, é preciso estar entre um dos três requisitos abaixo:

  1. óbito ou a morte presumida do segurado;
  2. a qualidade de segurado do falecido, quando do óbito;
  3. a existência de dependentes que possam ser habilitados como beneficiários junto ao INSS.
Pensão Por Morte
Veja como solicitar a pensão por morte

Quais os requisitos para solicitar?

Após a morte de um segurado da previdência, o cônjuge e dependentes têm direito a requerer a pensão por morte. Desde que, os prazos sejam respeitados e todos os documentos entregues.

Os dependentes têm até 90 dias para dar entrada no requerimento de pensão por morte e a pensão será paga a partir da data do falecimento.

Após o prazo quem der entrada no pedido somente receberá da data de implantação do benefício, sem retroativos.

As exceções do prazo de entrada são dos dependentes menores de 16 anos e incapazes, com pagamento garantido desde a data do óbito.

Os filhos menores receberão a pensão por morte até os 21 anos e, só receberão além disso, se provarem fazer faculdade ou que ainda dependem da pensão para concluir o curso.

Filhos maiores de idade ficam excluídos do recebimento da pensão.

O viúvo ou viúva que se casarem novamente continuam beneficiários da pensão, sendo que pode ocorrer divisão de pensão entre ex esposa (o) e companheira (o)

DICA: Veja como tirar o Extrato de Pagamento INSS.

Qual a data do início do benefício?

O início da pensão por morte ocorre a contar da data do óbito, com requerimento em até noventa dias depois.

No caso do requerimento posterior, a contar a partir da decisão previdenciária. Em caso de morte presumida passar a contar após a decisão judicial.

E no caso de catástrofe, acidente ou desastre, começa a contar a partir do dia da ocorrência.

Filhos com menos de 16 anos somente a terão concedida a partir do óbito, se for requerida em até cento e oitenta dias.

Posso perder a pensão?

A perda da Pensão por Morte ocorre como punição se o dependente praticar crime doloso que resulte na morte do segurado, no caso de casamento união simulada visando obter o benefício ao cônjuge ou companheiro (a) conforme a lei.

Valor da Pensão Por Morte

A renda mensal inicial corresponde ao valor total da aposentadoria que o segurado recebia. Ou ainda, que teria direito se fosse aposentado por invalidez contado a partir da data do falecimento.

Caso o falecido seja um segurado especial, o valor da renda mensal inicial será de um salário mínimo.

No caso de contribuição facultativa ao regime previdenciário, o valor da pensão corresponderá à aposentadoria por invalidez que seria do segurado.

Como Solicitar a pensão por morte?

Para pedir a pensão por morte é preciso entregar os seguintes documentos na agência da previdência. Serão necessários os seguintes documentos do falecido:

  • A Certidão de óbito do segurado falecido com registro civil da cidade;
  • O RG e CPF do falecido;
  • Carteira de Trabalho, guias de contribuição ao INSS, NIT, PIS ou NIS do falecido.
  • Os documentos dos dependentes são:
  • Certidão de nascimento e/ou casamento, RG e CPF do dependente;
  • Cônjuge precisa da Certidão de casamento, CPF, RG, Carteira de Trabalho;
  • Filho (a) menor de 16 anos precisa da Certidão de nascimento, RG e CPF apresentados pelo pai, mãe ou tutor;
  • Filho (a) entre 16 e 21 anos é preciso os mesmos documentos, sem necessidade de tutor.
  • Companheira (o) precisa dos documentos, provas de união estável e dependência econômica;
  • Filho maior inválido deve ser apresentado ao curador, com documentos pessoais, submetendo-se à perícia médica;
  • Ex-esposa precisa de comprovante que recebe pensão alimentícia legalmente;

Outros dependentes precisam de documentos pessoais e comprovação de dependência econômica.

Com os documentos deve-se dar entrada no inventário do falecido, agendando visita a uma agência da Previdência Social pela Internet.

Como fica a Pensão por morte na Reforma da Previdência?

Nada foi alterado ainda, sendo que a Reforma da Previdência precisa passar por diversas comissões na Câmara e senado para ir à votação.

Segundo a proposta a pensão deixaria de ser 100% do salário da pessoa falecida e passaria a 50% da média de salários mais 10% por cada dependente. E ainda, com limitações na acumulação para trabalhadores privados e servidores públicos.

As mudanças com a Reforma não podem atingir quem já recebe.

Confira aqui todas as mudanças trazidas pela Reforma da Previdência…